Pesquisar este blog

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Ceará terá R$ 93,9 mi para ação contra estiagem

Governo federal promete conclui trecho do eixão das águas até 2016
(Foto: Cid Barbosa)
Escassez de água, de alimentos, aumento de doenças, óbitos gerados pelo consumo de águas contaminadas e morte de animais são consequências dos quatro anos consecutivos de seca pelos quais o Ceará passa. Para quem mora nas comunidades próximas ao canal do projeto de integração do Rio São Francisco, a situação é ainda mais grave. Por serem difusas, o abastecimento torna­se mais complicado. Para tentar contornar essa dificuldade, o Ministério da Integração Nacional vai repassar R$ 93,9 milhões ao Ceará. Os recursos deverão ser utilizados na construção de redes conectoras de abastecimento das comunidades localizadas em um raio de até cinco quilômetros dos canais integrados ao São Francisco. Os estados de Pernambuco e Paraíba também serão contemplados, sendo R$ 134,8 para Pernambuco e R$ 35,7 para a Paraíba. Outros R$ 20,7 milhões vão ser transferidos à Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), do Ministério da Saúde, totalizando R$ 285 milhões em repasse de verbas. Benefício No Ceará, conforme a Secretaria das Cidades, responsável pelas obras, o projeto prevê a implantação, operação e manutenção da infraestrutura de abastecimento de água em 64 localidades dos municípios de Jati, Penaforte, Barro, Mauriti e Brejo Santo, beneficiando em torno de 30,5 mil pessoas. A expectativa do órgão é que, na região a ser beneficiada, haja um aumento na produtividade e diminuição do desemprego rural, ajudando a fixar o homem no campo. Ontem, por ocasião da inauguração da segunda Estação de Bombeamento do Eixo Leste do projeto de integração do Rio São Francisco, no município de Floresta, em Pernambuco, a presidente Dilma Roussef assegurou que, apesar de qualquer dificuldade, o governo federal vai concluir a obra em 2016. "Nós não vamos permitir, nem o governo federal, nem os senhores governadores que aqui assinaram os convênios conosco, não vamos permitir a repetição de histórias tristes que existiam, de famílias e famílias sem acesso à água, embora vivendo às margens de adutoras ou barragens", ressaltou. Durante a cerimônia, também foram assinados cinco termos para a construção dos sistemas de abastecimentos de água, entre eles com o governador do Ceará, Camilo Santana, presente ao evento. Além do apoio financeiro, o governo federal também fornecerá os projetos executivos das obras aos estados beneficiados. Os governos estaduais serão responsáveis pela execução desses sistemas. No caso do Ceará, a obra é de responsabilidade da Secretaria das Cidades. De acordo com o Ministério da Integração Nacional, a integração do Rio São Francisco vai garantir a segurança hídrica de aproximadamente 12 milhões de nordestinos em 390 municípios nos Estados de Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte. O projeto é composto por 477 quilômetros de extensão, organizados em dois eixos de transferência de água: Norte, com 260 quilômetros, e o Leste, com 217.

Reportagen: Diario do Nordeste

Prefeitura de Fortaleza apresenta ações para reduzir acidentes de trânsito

Prefeito de Fortaleza Roberto Claudio anuncia plano para redução de acidentes
Para reduzir acidentes no trânsito, a Prefeitura de Fortaleza inicia a partir de janeiro novas ações do Programa de Segurança no Trânsito de Fortaleza, envolvendo atividades de educação, fiscalização e infraestrutura. As iniciativas fazem parte de uma parceria entre a Prefeitura e o Programa de Segurança Viária da Bloomberg Philanthropies, uma instituição filantrópica com sede em Nova Iorque que objetiva traçar ações de curto, médio e longo prazos para conter e reverter a tendência crescente de fatalidades e ferimentos graves no trânsito. O projeto foi apresentado nesta terça-feira (22/12), no Paço Municipal, pelo prefeito Roberto Cláudio, o titular executivo da Secretaria Municipal da Conservação e Serviços Públicos (SCSP), Luiz Alberto Sabóia, e pela secretária Municipal de Saúde (SMS), Socorro Martins.
Fortaleza foi uma das dez cidades selecionadas em todo o mundo para participar do programa da Bloomberg Philanthropies, que oferecerá à capital uma assistência técnica de especialistas globais em segurança no trânsito. O Programa de Segurança no Trânsito de Fortaleza será desenvolvido pela Secretaria Municipal de Conservação e Serviços Públicos (SCSP), por meio do Plano de Ações Imediatas de Transporte e Trânsito de Fortaleza (PAITT), que prevê, inclusive, treinamento para agentes e setores de inteligência do trânsito, campanhas educativas, ações de redução de acidentes, a exemplo das faixas elevadas e em diagonal para pedestres, além do estímulo ao uso de bicicletas nos deslocamentos urbanos.
Mais que benefícios para a mobilidade urbana em Fortaleza, as ações visam promover uma humanização do trânsito e tentar resolver aspectos da saúde pública, já que o desafio é reduzir, nos próximos cinco anos, o número de acidentes de trânsito em Fortaleza. “Este é um problema de saúde pública. A frequência no Brasil, especificamente em Fortaleza, de casos de doenças de sequelas e óbitos no trânsito estão muito acima da média. É muito importante registrar isso como um problema de trânsito, mas que passa por uma abordagem de saúde pública de prevenção. Hoje, os leitos hospitalares, centros cirúrgicos e UTIs são exemplos da nossa necessidade de fazer uma grande política de prevenção de acidentes de trânsito em Fortaleza”, disse o Prefeito.
De acordo com Roberto Cláudio, o programa tem início em janeiro. “Somos uma das três cidades da América do Sul objetos desta ação. Fortaleza, São Paulo e Bogotá estão sendo apoiadas por especialistas do mundo inteiro e terá quatro grandes ações. A primeira é de melhorar a informação e o dado, para que possamos direcionar ações nas áreas que têm maior frequência nos horários e locais com mais acidentes; a segunda é fiscalizar principalmente a falta de uso do capacete e associação de álcool e direção; a terceira é de engenharia de trânsito, onde serão feitas mudanças nos locais onde os acidentes são mais frequentes; já a quarta é a comunicação e educação para que as ações possam ter efeito na redução do número de óbitos já ao longo de 2016”, explicou Roberto Cláudio.
O Programa de Segurança no Trânsito de Fortaleza será baseado no monitoramento dos dados de acidentes de trânsito, com estudo sobre o desenho urbano e vias seguras, além de ações de fiscalização, educação, comunicação, mídia e marketing.
Fonte: Assessoria Prefeitura de Fortaleza