Pesquisar este blog

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Relator vota por manter condenação dos "mensaleiros"

Ministro Luiz Fux (STF) mantém voto condenatório aos
"mensaleiros" por formação de quadrilha
O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), votou a favor de que as condenações de oito réus por formação de quadrilha, definida no julgamento da Ação Penal 470, o processo do mensalão, sejam mantidas. Ao contrário das argumentações dos advogados de defesa, Fux entendeu que os condenados formaram uma quadrilha para viabilizar o esquema de compra de parlamentares. O ministro é relator dos embargos infringentes, recursos destinados aos condenados que tiveram quatro votos pela absolvição na pena de formação de quadrilha.
Segundo o ministro, os infringentes dos condenados devem ser rejeitados porque o crime de quadrilha ficou comprovado. No entendimento de Fux, os condenados atuaram por um longo período de dois anos, conforme foi decidido no julgamento principal, em 2012.
Para Fux, se o esquema não tivesse sido denunciado pelo ex-deputado federal Roberto Jefferson, os desvios poderiam estar ocorrendo. O ministro também disse que todos os condenados tinham conhecimento sobre a função da cada um na quadrilha. Segundo o magistrado, não há dúvidas sobre a amizade entre o publicitário Marcos Valério e o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, ligações telefônicas e reuniões entre os condenados, além da distribuição de dinheiro em carros fortes.
Em seu voto, Fux também informou que todos os condenados dos núcleos políticos e econômico foram “instrumento para o sucesso” dos desvios de dinheiro público e para entrega dos valores para parlamentares. “A estabilidade é demostrada pela mecânica de retirada dinheiro em agências bancárias, pelas datas de empréstimos factícios e os contatos mantidos pelo grupo. Uma quadrilha não precisa ter uma estrutura formal”, argumentou.
Se o entendimento do relator for mantido, as condenações finais de oito réus ficarão maiores. Alguns condenados que cumprem regime semiaberto poderão passar para o fechado e também podem perder o benefício de trabalho externo. Após o voto de Fux, vão votar os ministros Luís Roberto Barroso, Teori Zavacki, Rosa Weber, Cármen Lúcia, Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio, Celso de Mello e o presidente, Joaquim Barbosa.
Fonte: Agência Brasil

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Sinditêxtil entrega Comenda da Indústria da Moda cearense

Germano Maia(pres. Sinditextil/Ce)
comandará a entrega da Comenda
da Industria da Moda
no Ceará
O Sindicato das Indústrias de Fiação e Tecelagem em Geral do Estado do Ceará (Sinditêxtil/CE) reunirá membros do setor, autoridades e imprensa para participar de um jantar por ocasião da entrega da Comenda da Indústria da Moda 2013, a ser realizado no dia 25 de fevereiro, às 19h30, no Lulla’s Aldeota. Na ocasião, a entidade homenageará o empresário Carlos Leite Barbosa Pinheiro (in memoriam), ex-presidente do Sindicato e segunda geração da empresa têxtil mais antiga do Ceará em plena atividade: a Unitêxtil. Já receberam a comenda: Mauro Benevides Filho, Cid Ferreira Gomes, Ivan Rodrigues Bezerra, Roberto Proença de Macêdo e Aguinaldo Diniz.Em sua sexta edição, a “Comenda da Indústria da Moda” tem como objetivo destacar personalidades que trabalharam em prol do incentivo e apoio à indústria têxtil cearense. “Para o setor têxtil, é especial reconhecer liderança que nos inspira com seu legado, hoje levado adiante pelo seu sucessor. Há uma simbologia especial nessa homenagem, quando nos remetemos à história do setor têxtil, também lançando o livro O Fiar e o Tecer: 130 anos da indústria têxtil no Ceará”, diz o presidente do Sinditêxtil, Germano Maia.    O livro será lançado na noite da entrega da comenda em segunda edição e retrata a história do setor no Ceará. São duas versões: impressa e digital, mediante aplicativos (Android e IOS), possibilitando fácil acesso aos leitores.
Fonte: Assessoria de Comunicação FIEC

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

O compromisso de Fortaleza com o "projeto Carbono Zero"

Gaudencio Lucena (vice-pfeito de Fortaleza) em reunião com
representantes da ONU,UE e ICLEI.
Reduzir as emissões de carbono dentro da administração pública para um padrão aceito pela Organização das Nações Unidas (ONU), União Europeia (UE) e pelo Conselho Internacional para Iniciativas Ambientais Locais (ICLEI). Esse é o objetivo da Prefeitura de Fortaleza através de um acordo firmado ainda em 2013 com os três organismos internacionais.
O “Projeto Carbono Zero” que tem início simultâneo em 2014 em centenas de cidades espalhadas ao redor do mundo tem em Fortaleza um caráter especial. O trabalho a ser desenvolvido na cidade foi apresentado num primeiro momento pelo engenheiro florestal Aloysio Costa Junior durante reunião com o Vice Prefeito, Gaudencio Lucena, que também é coordenador das Secretarias Regionais, os respectivos secretários e o gerente da Célula de Sustentabilidade Ambiental da Secretaria de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma).
A intenção do consórcio composto pela ONU, UE e ICLEI é estimular entre governos locais a promoção de soluções sustentáveis, eficientes no uso de recursos, de baixo carbono e auxiliar na construção de infraestruturas inteligentes, economias urbanas verdes para, no futuro, estimular a saúde e a felicidade entre as comunidades. No Brasil Fortaleza e Recife foram escolhidas como “cidades modelo” para o desenvolvimento da iniciativa.
“São duas cidades com grandes necessidades, mas também com grande potencial de reversão da degradação ambiental. Esses fatores funcionam como indicadores de sucesso futuro para os organismos internacionais” explica o consultor Aloysio Costa Junior. Ele apresentou a metodologia de trabalho a ser desenvolvido em Fortaleza, bem como os estágios de implementação das medidas a serem adotadas.
No Brasil outras cidades também foram credenciadas para participar do programa, como Rio de Janeiro (RJ), Porto Alegre (RS), Betim (SP), Sorocaba (SP), Curitiba (PR) e Belo Horizonte (MG), entretanto sem a consultoria direta dos organismos internacionais, como no caso de Recife e Fortaleza. O convênio tem duração de dois anos.
A parceria prevê apoio técnico, capacitação de servidores e funcionários a serviço do município, intercâmbio de informações internacionais, além de ferramentas e recursos necessários às tarefas, como softwares e consultores especializados. A primeira etapa do trabalho deve ser de análise do atual panorama em Fortaleza e só a partir de um diagnóstico inicial deve começar o trabalho propriamente dito.
O gerente da Célula de Sustentabilidade Ambiental da SEUMA, Wigor Florêncio, destaca que este é um momento de integração do poder público com a sociedade civil e com o setor privado. “Entre janeiro e fevereiro vamos envolver todos os órgãos municipais nessa discussão, nesse primeiro momento de análise” salienta.
Ainda durante a reunião o Vice-Prefeito Gaudencio Lucena reforçou o interesse da administração municipal em se adequar as exigências ambientais do século XXI e pediu empenho aos secretários. “É importante nos esforçarmos para construir uma cidade mais eficiente, mais justa com o meio ambiente” disse.

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Anatel divulga relatório sobre a banda larga nacional

Relatório de avaliação da Anatel constata a deficiência
das conexões banda larga em todo Brasil
A Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), o órgão brasileiro responsável pela regulação de empresas envolvidas nos setores de comunicação, divulgou na primeira semana de fevereiro um levantamento de todos os estados brasileiros sobre as metas estipuladas para medição nacional de banda larga móvel e fixa.
O período de aferição foi realizado em dezembro de 2013, mas apesar de abranger todos os estados, alguns deles ficaram de fora devido a quantidade de medidores instalados não oferecerem resultados confiáveis para assegurar a validade estatística da amostra. Contudo, assim que a agência tiver os resultados, o documento será atualizado pela agência.
É possível verificar o resultado das medições, de acordo com a agência, nos seguintes estados brasileiros.
Região Norte: Acre, Amapá, Amazonas, Rondônia e Roraima;
Região Sudeste: Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo;
Região Sul: Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina;
Região Nordeste: Alagoas, Bahia e Sergipe.

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Mossoró abastece a Petrobrás de Pacacuru

Pier da Petrobras em Paracuru
“A Petrobras está buscando água em Mossoró (RN) para suas operações em Paracuru (CE), revelou a Companhia dos Recursos Hídricos (Cogerh), por meio da sua assessoria de imprensa. O recurso hídrico “viaja” 300 quilômetros. Isso ocorre porque a estatal está desautorizada de utilizar a água da Lagoa Grande, que abastece Paracuru. Neste caso, está sendo aplicada a premissa do uso prioritário da água para o consumo humano e a dessedentação de animais, conforme a Lei 9.433, de 8 de janeiro de 1997, que estabeleceu a Política Nacional de Recursos Hídricos.
A petrolífera recebeu a outorga nº 706/2013, de 29/11/2013, publicada no Diário Oficial do Estado (DOU), de 6 de janeiro, que dá direito ao consumo industrial por quatro anos. Contudo, a Cogerh explica que a outorga é um documento “precário”, podendo ser retirado o direito de uso, em casos especiais, como a seca. A Lagoa Grande está com 80 cm de água, no ponto mais profundo, diz o diretor de Meio Ambiente de Paracuru, Edmundo Ferreira.
Conforme a Cogerh, a Petrobras não retira água da lagoa em Paracuru desde dezembro de 2012. A companhia ressaltou que a Petrobras possui licenças ambientais para perfurar poços no município, caso seja necessário. “A água utilizada no empreendimento da empresa está vindo de Mossoró, através de navio”, destacou.

SEDUC propoe novo ranking de notas do Enem

Fontes: Microdados do Enem 2011, Censo Escolar
2011 e Seduc
A Secretaria Estadual da Educação (Seduc) questiona a divulgação dos dados referentes à participação de escolas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Conforme análise do órgão, publicada em nota técnica, o ranking das instituições deveria formular a média de notas dos estados considerando o índice de participação dos alunos. Além disso, propõe a inclusão nos cálculos da quantidade de alunos que atingiram a nota mínima no Exame (450 pontos).
A Seduc utilizou informações do Enem de 2011 e elaborou tabelas e gráficos comparando rankings formados pelos resultados agregados por escola e com a base de microdados do Exame. “Quanto mais uma escola se esforça para que todos os alunos participem, pior ela fica no resultado”, avaliou o economista e professor da Universidade Federal do Ceará (UFC), Daniel Campos. Isso aconteceria porque as porcentagens menores de participantes traduzem apenas os melhores alunos, enquanto as maiores incluem estudantes com todos os níveis de aprendizado.
Caso o método mudasse, as tabelas dos rankings de avaliação do Enem passariam por uma dança das cadeiras quanto à colocação. O Ceará deixaria de ser o 24º sobre as notas e passaria a ocupar a 7ª posição, resultado da multiplicação da média pela taxa de participação (ver tabela). Em 2011, 57% dos alunos da rede estadual cearense fizeram o Exame, a 6ª maior participação do Brasil.

reportagem:Sara de Oliveira ( O Povo)

Ex-prefeita Luizianne Lins tem direitos políticos suspensos por 8 anos

Ex-prefeita de Fortaleza Luizianne Lins foi condenada em
primeira instancia por coação durante a campanha de 2012
Um dos nomes mais cotados para disputar as eleições neste ano, a ex-prefeita Luizianne Lins (PT) foi condenada pela Justiça Eleitoral e ficará inelegível até 2020. Em decisão do juiz Josias Menescal, da 114ª Zona Eleitoral de Fortaleza, a petista foi considerada responsável direta pela coação e demissão em massa de terceirizados da Prefeitura durante a eleição municipal de 2012 – com objetivo de alavancar candidatura de Elmano de Freitas (PT) na disputa.
A decisão do juiz, expedida na última segunda-feira, se baseia principalmente nos depoimentos de duas presidentes de sindicatos de funcionários municipais. Segundo elas, foram pressionadas e demitidas pessoas ligadas a vereadores que não apoiaram o candidato petista na eleição passada. “(As ações) iam desde a coação para participarem de atos de campanha, tais como panfletagem e bandeiraços, sob pena de terem o registro de ponto cortado, até a demissão (...) existiram casos em que foram homologadas duzentas rescisões por dia”, diz.
Entre os parlamentares citados, está o presidente da Câmara Municipal de Fortaleza, Walter Cavalcante (PMDB), que teria tido dez funcionários de sua “grade” demitidos poucas horas após ele anunciar publicamente que apoiaria Roberto Cláudio (Pros) na disputa. Além dos depoimentos, foram anexados no processo uma ata de audiência da Procuradoria Regional do Trabalho e diversas denúncias que reforçam as acusações.
“Como se viu, a aqui representada efetivamente coagiu e demitiu terceirizados, exatamente objetivando auferir vantagem política, qual seja, a vitória dos candidatos por si apoiados”, conclui o juiz, que ainda diz “lamentar”a utilização de terceirizados como “massa de manobra”.
Também foram ouvidos diversos parlamentares ligados à ex-prefeita, como o vereador Guilherme Sampaio (PT), o deputado estadual Antônio Carlos (PT), o deputado federal Eudes Xavier (PT) e o senador José Pimentel (PT). Eles negaram conhecimento e “muito menos qualquer participação” nas irregularidades.
Como se trata de decisão em primeira instância, a ex-prefeita ainda pode recorrer ao Tribunal Regional Eleitoral do Ceará (TRE-CE) e ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Apesar disso, a suspensão de seus direitos políticos por oito anos, contada a partir de 2012, começa a valer assim que o texto for publicado no Diário Oficial de Justiça - o que não havia acontecido até a noite de ontem, mas deve ocorrer nos próximos dias. A ação se baseou em denúncia do Ministério Público Eleitoral no Ceará (MPE-CE).
Apesar de ilegal, o uso da máquina pública para alavancar candidaturas não é novidade no cenário político nacional. “Se fosse combater isso, o Governo Federal teria então que demitir 20 mil funcionários que são da cota de partidos. O próprio Governo do Ceará usa do mesmo expediente (...) solucionar isso exige a profissionalização da gestão pública”, diz o cientista político Valmir Lopes, da Universidade Federal do Ceará (UFC).
“A Luizianne basicamente manteve a mesma estrutura de cooptação de vereadores do Juraci (Magalhães, ex-prefeito). Isso assegura maioria folgada na Câmara para aprovação de projetos”, avalia.

Reportagem O Povo

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

FIEC reune jornalistas para confraternização anual

Convite feito em papel jornal como recorte de reportagem
A Federação das Industrias do Estado do Ceará (FIEC) reúne hoje, profissionais de imprensa em almoço de confraternização anual. Na ocasião, o presidente Roberto Macedo deverá revelar as perspectivas para a indústria em 2014 e também fazer um balanço do setor e das ações do Sistema FIEC em 2013.
Aliás, a nova diretoria será aclamada em 14 de março e terá o empresário Beto Studart (BSPAR) como sucessor do competente Roberto e na vice-presidência o também empresário Alexandre Pereira.
A propósito, bem criativo o convite (ao lado) enviado a essa coluna ao qual agradecemos e estaremos presente.

Ondas de calor poderão ser mais frequentes

Carlos Nobre (MCTI) revela que o calor atual é cíclico e já
ocorreu no passado e ocorrerá com mais frequência 
O calor excessivo registrado em 2013 e neste início de 2014 pode acontecer com mais frequência nos próximos anos se o país não conseguir reduzir o impacto do aquecimento global no meio ambiente, explicou o secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Carlos Nobre.Em entrevista à Agência Brasil, o secretário explicou que episódios isolados de períodos muito secos ou de muitas chuvas já ocorreram no passado, e alguns são típicos das estações do ano, como as ondas de calor. “Um fenômeno extremo isolado não permite que alguém imediatamente aponte o dedo e diga que é culpa do aquecimento global”, disse.No entanto, explicou que o aquecimento global aumenta o número de ondas de calor. “Cem anos atrás, esse calor extremo acontecia a cada dez ou 20 anos. Com o aquecimento da Terra, vamos viver isso com mais frequência, e daqui a 100 ou 200 anos, esse vai ser o clima do dia a dia”.Segundo ele, diferentemente do que ocorre com a espécie humana, um grande número de espécies não consegue acompanhar essas mudanças, principalmente as vegetais. “A extinção é rápida e a reconstituição da biodiversidade é lenta. Devemos esperar uma pertubação e uma extinção em massa, se isso não mudar”.Como, em certo grau, a mudança no clima já se tornou inevitável, para Nobre seria irresponsabilidade da sociedade não cuidar de uma adaptação a essas mudanças. “Os países desenvolvidos têm sistemas que diminuem a vulnerabilidade a desastres naturais, mas os países em desenvolvimento ainda sofrem muito. Nossa lição de casa básica é tornar as sociedades e o meio ambiente mais resilientes para o que está acontecendo hoje”.Corroborando as afirmações do secretário, a presidente do comitê científico do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas (PBMC), Suzana Kahn Ribeiro, diz que é necessário repensar o crescimento das cidades, os padrões de consumo e as políticas de eficiência energética, entre outros fatores, para tentar reverter a mudança no clima. “Muito pouca coisa se tem feito, o que é preocupante, dada a urgência do problema e o transtorno que traz. Não se trata apenas de incômodo para as pessoas, mas de perdas econômicas, aumento da desigualdade e riscos para saúde”. O PBMC projeta um clima mais quente para este século.O secretário do MCTI, Carlos Nobre, faz parte do Conselho Consultivo Científico da Organização das Nações Unidas (ONU), que tem o papel de formular estudos e análises para assessorar o secretário-geral Ban Ki-moon sobre sustentabilidade, incluindo mudanças climáticas. “Em seis meses, esse conselho vai produzir documentos importantes que vão servir de referência para o secretário-geral destravar as negociações que começaram na Conferência de Copenhague, em 2009, sobre a emissão de gases”, explicou.

Jornalista Patrícia Macêdo substituirá Domingos Neto na Secopafor

Patricia Macedo assume a Secopafor e terá como missão,
discutir um legado para Fortaleza após o evento

A gestão da Secretaria Extraordinária da Copa de Fortaleza (Secopafor) passa para o comando da jornalista Patrícia Macêdo. A nova gestora deve ser empossada na próxima sexta-feira, 14, quando poderá conceder entrevista. Patrícia Macêdo já fazia parte da equipe da secretaria, atuando como diretora de relações institucionais e coordenadora do Pacto pela Copa, que objetiva preparar a cidade, discutindo o legado que o evento deixa à cidade. As informações foram confirmadas pela assessoria da secretaria.
O nome da nova secretária foi indicado ao prefeito Roberto Cláudio (Pros) pelo ex-secretário Domingos Neto. Ele disse que a meta era deixar no cargo alguém que já tivesse conhecimento dos trabalhos da Secopafor.
Patrícia é jornalista formada pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e tem licenciatura em Psicologia Clínica pela Universidade de Fortaleza (Unifor). É membro fundadora do Conselho de Leitores do O POVO, fundadora da Sociedade do Pensamento Jungiano e membro da Sociedade Internacional de Estudos de Estresse Traumático.
Domingos Neto reassume mandato de deputado federal, de olho na reeleição para a Câmara. Em sua passagem de pouco mais de um ano pela secretaria, apenas uma das obras da Copa sob responsabilidade do município foi concluída - o alargamento da avenida Alberto Craveiro.
A saída do deputado estava prevista para abril, prazo legal para que os pré-candidatos abram mão de seus cargos no Executivo. Porém, ele antecipou a saída, alegando que gostaria de participar das articulações sobre a composição das comissões temáticas da Câmara.
Patrícia Macêdo é casada com o irmão do presidente da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), Roberto Macêdo. A entidade, na última segunda-feira, desistiu de entrar com uma ação contra o aumento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) em Fortaleza, após reunião com o prefeito Roberto Cláudio.

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

14 empresas concorrem ao Prêmio FIEC de Desempenho Ambiental

Fiec fará a 10ª edição do premio que reconhece o desempenho das
empresas que respeitam o meio ambiente
A Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC), por meio do Núcleo de Meio Ambiente (Numa), realiza, no próximo dia 10 de março, às 18h30min, na Casa da Indústria, a entrega da 10ª edição do Prêmio FIEC por Desempenho Ambiental. Na oportunidade, serão anunciados os vencedores de cada categoria. Catorze empresas que atuam no Ceará concorrem nas modalidades de Produção Mais Limpa (Cerâmica Torres Ltda., Cerâmica e Agropecuária Assunção Ltda., Esmaltec, Alpha Metalúrgica, Cogerh), Reuso de Água (TB Transportes Rodoviários Ltda. e Sucos Jandaia), Educação Ambiental (Coelce, Ecoletas Ambiental, Makro Engenharia, Cerâmica Crato e Alpha Metalúrgica) e Integração com a Sociedade (M. Dias Branco –Fábrica Fortaleza, Gram Eollic e Cerâmica Porto Alegre).A comenda tem como objetivo premiar empresas industriais, filiadas aos sindicatos ligados à FIEC, que tenham se destacado na conservação do meio ambiente e implementado atividades que resultem na melhoria da qualidade ambiental, de acordo com os princípios do desenvolvimento sustentável e de modo a servirem de modelo para outras indústrias.As empresas vencedoras de cada modalidade receberão troféu e diploma alusivos ao prêmio. As que participarem do concurso, mesmo não tendo sido selecionadas, receberão diploma.A avaliação é feita mediante observância dos critérios de utilização de tecnologia adequada, que garanta o controle da poluição; Sistema de Gestão Ambiental (SGA); integração com entidades ambientais e comunidade de entorno; contribuição para a melhoria do ecossistema e proteção da biodiversidade; desenvolvimento adequado no tratamento de resíduos gerados no processo produtivo da empresa; comprovação da aceitação do produto final, a partir da melhoria ambiental; modelo para outras empresas, tendo como base os processos ambientais desenvolvidos; e originalidade ou medida que seja inovadora.A comissão julgadora é formada por técnicos indicados pelas instituições Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente (Conpam), Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Controle Urbano de Fortaleza (Semam), Secretaria da Fazenda do Estado do Ceará, Núcleo de Tecnologias Limpas da Universidade Federal do Ceará (UFC), Banco do Nordeste do Brasil (BNB), Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI/CE) e ONG Ambientalista.

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Senador Eunicio Oliveira recusa convite para ministério

Senador Eunicio Oliveira (PMDB/Ce) mantem-se firme
como pre-candidato ao governo do Ceará.
O senador Eunício Oliveira (PMDB) voltou arecusar convite da presidente Dilma Rousseff (PT) para que ele ocupe o Ministério da Integração Nacional. Dessa vez, porém, a oferta foi além e incluiu os principais órgãos do Nordeste na tentativa de atrair o senador para o Governo.
Segundo informações de bastidores, confirmadas a O POVO Online por influente fonte peemedebista, houve reunião entre Eunício e interlocutores do primeiro escalão de Dilma na manhã desta quinta-feira, 6.
Além do ministério, teria sido oferecido ao senador o comando político de órgãos como Banco do Nordeste, Dnocs, Chesf, Codevasf e Sudene. O senador novamente recusou todas as propostas.
Procurado, Eunício preferiu não comentar o assunto e disse apenas estar “extremamente lisonjeado” com os convites e com a dimensão com que a questão vem sendo tratada. “Mas estou bem onde estou”, acrescentou.
Provável candidato ao Governo do Estado, o senador se reuniu com Dilma no início da semana e recusou o primeiro convite para assumir o ministério.
ImplicaçõesVários fatores estão relacionados à tentativa do Planalto em atrair Eunício. Entre eles, a intenção de agradar à descontente bancado do PMDB – principal partido aliado do Governo – e, na esfera local, tirar Eunício da disputa pelo governo estadual, já que o PT quer apoiar o candidato a ser indicado pelo governador Cid Gomes (Pros).
Fonte: O POVO

Ceará precisará de 11 mil trabalhadores na Industria em 2014/15

De acordo com a CNI, a industria cearense abrirá
11.566 vagas de emprego no bienio 2014-15
Segundo as projeções do Mapa do Trabalho Industrial, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), em 2014 e 2015, o Ceará precisará formar 11.566 novos trabalhadores por ano para atender a novos postos gerados na indústria. Em todo o país, será necessário formar 570 mil novos profissionais por ano para atender à demanda.O Ceará está em terceiro lugar no Nordeste em necessidade de novos trabalhadores até 2015, atrás de Bahia (18.881) e Pernambuco (14.132). No estado, os setores que mais demandarão mão de obra são couros (2.348), alimentos e bebidas (1976) e construção civil (1.457). Juntos, os três representam 50% da demanda.Com relação aos dados nacionais, 80% são profissionais de baixa qualificação, 14% de nível técnico e 6% de nível superior. Os cinco setores que concentram a maior demanda por formação para novos empregos são construção (107.430), alimentos e bebidas (77.458), veículos automotores, reboques e carrocerias (48.277), máquinas e equipamentos (44.347) e minerais não metálicos (22.999). Juntos, estes setores devem responder por 53% da demanda nacional por formação para atender a novos empregos na indústria.Se considerado o crescimento médio anual relativo projetado no emprego na indústria para os próximos anos, destacam-se os setores de extração de petróleo e serviços relacionados, veículos automotores, reboques e carrocerias, minerais metálicos, fabricação de coque, refino de petróleo, elaboração de combustíveis nucleares e produção de álcool, fabricação de celulose, papel e produtos de papel.De acordo com o mapa, a falta de profissionais qualificados é uma reclamação generalizada na indústria, porém é mais intensa entre trabalhadores de menor qualificação, que respondem pela maior parte do emprego na indústria. As queixas sobre a dificuldade em encontrar técnicos qualificados também são elevadas. Logo, os setores com maior proporção de trabalhadores de nível qualificado e técnicos, como construção civil e alimentação, são os que têm mais problemas de qualificação.

Obras paradas do Dnit comprometem a segurança e causam prejuizos

Obras das Construtora Delta estão paralisadas em todo Ceará
Obras de infraestrutura relevantes para a economia estadual e regional estão paradas ou em ritmo lento. É o que se constata na construção de viadutos em Tianguá, e nas obras da BR-222 (trecho Itapajé) e Ponte Juscelino Kubitschek, em Aracati. No caso da BR-222, o prazo para conclusão estourou em 2012. Já os viadutos em Tianguá estão parados desde 2008. E a Ponte Juscelino Kubitschek, na BR-304, não avança desde 2011. Os investimentos nas três obras somam mais de R$ 320 milhões, mas não há prazos definidos para conclusão.
Na Zona Norte há duas obras do Dnit, ambas na BR-222. A primeira liga Fortaleza a Sobral e está em recuperação há quatro anos, após ser palco do "Rally na BR", protesto que contou com o governador Cid Gomes, a fim de chamar atenção para a buraqueira da rodovia. No mesmo trecho está sendo retirada a "Curva da Morte", próxima à ponte São Miguel, paralisada no último dia 28, para o corte de rochas com a detonação de explosivos. No projeto estava previsto a reconstrução da rodovia a partir do município de Croatá, até o acesso a Sobral, em três lotes de obras que representam um investimento de R$ 250 milhões, feito pelo Dnit, continuamente até meados de 2012. Neste trecho, pontes também seriam reparadas e reconstruídas. Porém, essas obras deveriam ter sido concluídas em 2012, mas não acabaram, estando em diversas etapas diferentes.
No trecho entre Umirim e Itapajé, considerado pelos motoristas como o mais crítico, o Dnit informou que se encontra em obras de restauração com trafegabilidade precária.
Em Tianguá é que se encontra a obra mais crítica, a duplicação da rodovia e construção de passarelas e viadutos, parada desde 2010, após escândalo com a construtora Delta. A obra foi iniciada em 2006 e está abandonada há quatro anos. Essa não foi a primeira parada. Em a nos anteriores aconteceram duas pausas. Orçada em R$ 41,3 milhões, o projeto inicial previa a construção de dois viadutos, duas passarelas e a duplicação de seis quilômetros no acesso leste. Hoje o trecho se encontra com desvio por conta de obras de duplicação, mesmo paralisadas. O viaduto que está incompleto faz parte do projeto, assim como uma passarela. Na pista, há buracos e poeira no entorno dos viadutos. A obra tinha previsão de entrega em 2008.
De acordo com o chefe de Gabinete da Prefeitura de Tianguá, Mariano Diniz, o que mais tem prejudicado a cidade com a obra parada foi o início da terraplanagem, que desmatou e retirou a pavimentação ao lado da rodovia em três bairros. "Muita poeira, incômodo e dinheiro jogado fora, porque o serviço já foi feito duas vezes e como não há continuidade acaba se perdendo", destaca ele. A Prefeitura pleiteia verba junto a União para finalizar o projeto.
A Ponte Juscelino Kubitschek aguarda conclusão há quase 12 anos. Iniciada em 2002 com orçamento de R$ 33 milhões e previsão para entrega em 18 meses, teve várias paralisações devido a escândalos envolvendo a Delta. Depois de muito tempo parada e com o afastamento da empresa responsável, uma nova licitação em 2006, orçada em R$ 29,9 milhões, foi liberada e uma nova construtora ficou responsável. A primeira etapa só veio a ser liberada, ainda incompleta, após pressão dos motoristas, que reclamavam dos transtornos registrados no trecho durante o feriadão de réveillon de 2010 para 2011. A faixa foi então liberada para tráfego antes do carnaval daquele ano. De lá pra cá, a obra da Ponte JK esta parada, faltando ainda 30% para conclusão.
 Colaboração Ellen Freitas (DN)

FIFA cancela reservas em vários hotéis para a Copa

Darlan Leite (ABIH-CE) confirma cancelamentos pela Fifa e
acredita que ocupação será menor que o ano passado
A Match - agência de viagens da FIFA - está desistindo de reservas em hotéis. Em Porto Alegre (RS), por exemplo, 40% das reservas foram canceladas. Em Curitiba (PR), a empresa desistiu de 20% do que havia reservado. Em Fortaleza, também há devoluções segundo a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis no Ceará (ABIH-CE).
Darlan Leite, presidente da entidade, diz ainda não ter um balanço das desistências, mas cita o Hotel Parque das Fontes, em Beberibe, como exemplo. Lá, 200 quartos tiveram as reservas canceladas. Ele afirma que a Match está se antecipando, já que o prazo para as devoluções é 30 de abril. Além disso, destaca que durante os 30 dias da Copa do Mundo haverá alguns vazios porque a reserva não será linear. “Acredito que teremos uma diminuição da ocupação em junho e julho, na comparação com igual período do ano passado”, comenta, ressaltando que essas devoluções também ocorreram na África do Sul.
Ele acrescenta que a Copa do Mundo será uma grande vitrine se os turistas forem bem recebidos. “Esse vai ser o nosso lucro”, comenta. A Match é responsável pelo atendimento de exigências de hospedagem de autoridades, representantes, convidados e funcionários da Fifa e do Comitê Organizador Local (COL), além de seleções participantes e prestadores de serviços.
Ainda em 2012, 55 hotéis filiados a ABIH-CE – de um total de 63 - tiveram seus leitos bloqueados pela Fifa para o período da Copa do Mundo. O preço pago pela Federação é, em média, de US$ 250 pela diária de um apartamento.
“Disponibilizamos 70%, mas sabemos que as devoluções já começaram, isso é fato”, disse Darlan, acrescentando que a devolução com antecedência pode ajudar o setor a trabalhar o turismo interno. Mas admite que será difícil porque durante a Copa pouca gente viaja. “Teremos uma ocupação menor e, num espaço de um jogo para outro, muitos quartos estarão vazios”, conclui.
O presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Rio Grande do Norte (ABIH-RN), Habib Chalita, diz que metade dos quartos previstos em contrato, em 37 hotéis da cidade, já foi devolvida. “Eles [a Match] anteciparam a devolução em dez dias. Acho que até mesmo eles não esperavam”. Na região, Chalita afirma que os preços altos não são um problema. “As diárias variam de R$ 200 a R$ 250, e ficamos no meio do caminho entre outras duas cidades-sede, Recife e Fortaleza”.
Reportagem de Artumira Dutra (O Povo)