terça-feira, 21 de agosto de 2012

Bancada federal nordestina mobiliza-se em BSB

Deputado federal José Guimarães - PT/CE é o líder da
bancada nordestina na câmara federal.
Com a nomeação do catarinense Ary Joel para presidente do BNB e a MP 565 na pauta de discussão, movimentou a bancada federal nordestina. Os deputados vão se reunir hoje, 21, em Brasília, a partir das 17 horas. 
Segundo o coordenador da bancada, deputado federal José Nobre Guimarães (PT), é hora de discutir a Medida Provisória 565 – que inclui destaque pelo retorno de gratificação dos servidores do Dnocs, o Programa Nacional de Investimentos em Logística e os benefícios do programa na ampliação e melhorias das malhas rodoviárias e ferroviárias no Nordeste.
A ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvati, e o ministro dos transportes, Paulo Passos, foram convidados. O caso da nomeação do catarinense Ary Joel para presidente do BNB deve contar também nessa pauta. Há uma grita geral de parlamentares contra essa nomeação que consideram "pouco apropriada" para região.

Porto do Mucuripe: 25% das obras do Terminal de passageiros foram concluídas

Terminal de passageiros do Porto do Mucuripe
Terminal de Passageiros do Porto do Mucuripe já está com 25% das obras concluídas. Segundo o presidente da Companhia Docas, responsável pela administração do Porto, Paulo André, é a obra mais adiantada dos terminais de passageiros do País. O custo total é de R$ 149 milhões, de acordo com informações dadas ao jornalista Eliomar de Lima.Nesta terça-feira, 21, Paulo André terá reunião em Brasília para tratar das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC Copa e Pac 2). "A obra está adiantada e tudo leva a crer que até antes de dezembro de 2013 estaremos com essa obra toda completa”, destacou.O projeto conta com um berço novo com 350 metros de comprimento e 13 metros de profundidade, uma área de pátio do novo terminal e uma área de 340 mil metros de ampliação do porto.Além do Terminal de Passageiros, o porto do Mucuripe receberá outros investimentos dentro do PAC 2. Haverá a troca do pavimento para um mais moderno, obra orçada em R$ 15 milhões, além de troca da iluminação industrial do porto, saneamento. Dentro do programa, estão previstos R$ 25 milhões em investimentos do Governo.Paulo André destacou que a presidente Dilma Russeff já anunciou a privatização dos portos de Salvador e Vitória, mas ainda não houve nenhum posicionamento sobre o de Fortaleza. No caso de concessão para a iniciativa privada, segundo ele, a Companhia Docas está preparada. “A Companhia Docas está superavitária, enxuta e pode ser um bom caminho para a privatização. Ninguém sabe”, sinalizou. As informações são do blog do Eliomar.

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Banco do Nordeste tem novo presidente

Ary Joel de Abreu, novo presidente do BNB
Antes de ser anunciado ontem como novo presidente do Banco do Nordeste do Brasil (BNB), Ary Joel de Abreu Lanzarin, não era uma figura muito conhecida por parte dos representantes de grandes setores produtivos do Estado. O catarinense, que presidirá a instituição financeiro pelos próximos dois anos e meio, porém, não demorou a virar pauta para executivos da indústria, do comércio e da agropecuária, que, diretamente ligados ao banco, já o cercaram com diversas expectativas.
Lima Matos (Fiec) diz que esperava indicação de cearense
"Eu achava que conseguiríamos nomear um cearense para o cargo, o que seria excelente porque ele já conheceria bem os problemas do nosso Estado, mas acredito que o mais importante é a competência, o que deve ser uma qualidade de Lanzarin, tendo em vista seu trabalho no Banco do Brasil", afirma o diretor de tecnologia da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), José Lima Matos.
O diretor da Fiec também afirma que seria interessante que a nova gestão do BNB voltasse a apostar em grandes empreendimentos. "Espero que o novo presidente coloque o banco novamente nessa linha, já que atualmente está focado apenas em micro e pequenos empreendedores. Não basta ser uma instituição de crédito, mas um banco de fomento, que atraia novos investimentos para o Estado", opina.

Sequência do trabalho
Apesar de também defender melhorias na relação do BNB com o comércio, o presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) Fortaleza, Freitas Cordeiro, afirma que a principal expectativa é que a nova gestão mantenha o trabalho que o banco vem fazendo com seu setor. "Considero muito boa a gestão do ex-presidente, Roberto e Smith, e estou otimista com Lanzarin, apesar de não conhecê-lo bem. Espero apenas que os canais com o comércio permaneçam abertos, pois a política do banco já estreita com os pleitos do setor", diz.
Quem também espera que o BNB mantenha uma proximidade com seu setor é o presidente da Federação da Agricultura do Estado do Ceará (Faec), Flávio Saboya. Segundo ele, "o BNB já possui uma equipe técnica altamente qualificada e seria ótima se a diretoria fosse mantida. Já existem parcerias de grande importância para o setor agropecuário do Ceará, inclusive no combate às secas, e isso precisa continuar".

"O trem precisa andar no Ceará""O trem (a economia) precisa andar no Ceará. A torcida é para que o trem volte a andar no Estado. Vamos torcer e vamos ajudar", declarou ontem, o presidente da bancada parlamentar do Nordeste, na Câmara Federal, o deputado José Nobre Guimarães, ao comentar sua expectativa, diante da indicação do funcionário do Banco do Brasil, o catarinense, Ari Joel de Abreu Lanzarin, à presidência do Banco do Nordeste do Brasil (BNB), pela presidente Dilma Roussef.
Segundo parlamentar, o desempenho do banco no Estado está muito ruim, "pífio", em relação ao volume de recursos do Fundo Constitucional do Nordeste (FNE), contratados pelo BNB no Ceará, nos primeiros seis meses deste ano. Guimarães não falou em volume de recursos, mas disse que o Ceará caiu da segunda para a quinta posição na região, em relação aos financiamentos do FNE.

De 2º para 5º lugar"Na gestão do Roberto Smith - que presidiu o BNB, por oito anos, de 2002 a junho de 2010, durante os dois mandatos do governo do ex-presidente Lula e seis primeiros meses, do governo Dilma - estivemos sempre em segundo lugar", em aplicação dos recursos do FNE no Estado", lembrou o parlamentar cearense. Conforme disse, o Ceará mantinha-se em segundo lugar, atrás apenas da Bahia, mas sempre à frente de Pernambuco.
No primeiro semestre deste ano, destacou Guimarães, o Ceará está em quinto, atrás dos Estados da Bahia, Pernambuco, Maranhão e Piauí.

Dados indisponíveis
Para confirmar o recuo no ranking, a reportagem buscou a direção do BNB, para que informasse a movimentação do FNE, por Estado nos últimos dois anos, mas foi respondida por meio de nota.
"O volume global de contratações do BNB com recursos do FNE será apresentado durante a divulgação do Balanço Semestral 2012, prevista para a próxima semana. Quanto aos dados por Estado, até maio, não dispomos dessa informação no momento", respondeu o banco, por meio da Assessoria de Imprensa. O volume aplicado pelo Fundo nos anos de 2010 e 2011 também não foirrevelado pelo BNB. 

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Iniciadas obras do Shopping RioMar em Fortlaeza

Obras do Shopping RioMar em Fortalea

A primeira estaca do shopping Riomar será cravada amanhã. Mas antes mesmo que isso ocorra, as obras já avançam no terreno de 114 mil metros quadrados, onde funcionava a fábrica da Cervejaria Astra, da Brahma, no Papicu. Num bairro residencial, o terreno já todo murado e recebendo as primeiras placas de identificação não tem comércio como vizinhos imediatos, com exceção de um lava jato. O empreendimento abre novas perspectivas para o bairro e mexe com o mapa econômico da cidade. A implantação do shopping numa área que passou muitos anos desvalorizada chega abrindo concorrência com o Shopping Iguatemi, distante cerca de quatro quilômetros do novo shopping. Para Ricardo Bezerra, sócio-diretor da Lopes Immobilis, Fortaleza tem espaço para os dois empreendimentos. “Não acho que o Iguatemi seja afetado pelo RioMar. Acredito que tem espaço na cidade para os dois empreendimentos”, aponta.
O empresário disse ainda que a dimensão do RioMar vai nivelar o “lado esquerdo” do Papicu por cima. “A região que já foi conhecida por ser a mais perigosa da cidade vai ganhar um empreendimento que, além do shopping, traz 18 torres com imóveis residenciais, comercias e um hotel. Nunca se viu isso em Fortaleza”, afirma. Ele chama atenção ainda para o polo gerador de emprego e renda em que será transformada a área.
E para quem pensa em oportunidades de emprego, ver a agilidade da obra é coisa boa. Os agricultores Ana Maria Martins da Silva e José Peixoto de Andrade deixaram o sertão e vieram há dois anos para Fortaleza tentar uma vida melhor. Moradores do entorno do shopping, eles acreditam que poderão encontrar no empreendimento uma chance de trabalhar perto de casa. “A gente faz qualquer coisa, sendo honesto”, afirma José, que hoje tem um emprego de servente.
É a mesma expectativa de Fátima Costa. Ela aproveita o movimento do fim de semana na lagoa do Papicu para ganhar um dinheiro com venda de lanches. Com a chegada do shopping, Fátima acredita que o movimento vai se intensificar. “Porque hoje mesmo eu só vendi R$ 1,50”, reclama.
Valorização
Para o bancário Ricardo Lima, que mora na rua José Rangel, que passa atrás do shopping, os imóveis da área já estão sendo valorizados. “Já tem imóvel aqui que era R$ 100 mil e já estão falando em R$ 400 mil”, comenta. Apesar do aparente aumento na procura de imóveis no bairro, ainda é possível alugar um apartamento de 100 metros quadrados nas imediações por menos de R$ 1.000, incluindo aluguel e condomínio.

Petrobrás e Governo definem ações para fornecedores de petróleo e gás naval

Incentivo a cadeira produtiva vai aumentar a competitividade

Aumentar o número de fornecedores da cadeia produtiva de petróleo, gás e naval é o objetivo da assinatura de acordo nesta segunda-feira (13/8), durante evento na sede da Petrobras. O acordo será assinado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), a Petrobras e a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI).
O governo federal quer aumentar a competitividade e o número de fornecedores da cadeia produtiva de petróleo, gás e naval, a partir da implementação de projetos no âmbito do Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo & Gás Natural (Prominp), que estão alinhados com as diretrizes do Plano Brasil Maior.
Entre as ações previstas estão o apoio ao desenvolvimento de polos empresariais e Arranjos Produtivos Locais (APLs), busca de oportunidades financeiras e tributárias ao longo da cadeia de fornecedores, apoio ao desenvolvimento da engenharia nacional, o aprimoramento da inteligência em logística e fortalecimento da política de conteúdo local. O detalhamento das ações será divulgado à medida que os programas forem definidos. 
“A grande demanda por bens e serviços no setor é um incentivo para investirmos na qualificação e ampliação dessa cadeia produtiva nacional, garantindo o cumprimento de uma política de conteúdo nacional que beneficie a produção do conhecimento científico e a tecnologia de inovação do setor”, destaca a secretaria de Desenvolvimento da Produção do MDIC, Heloisa Menezes. 
Segundo o presidente da ABDI, Mauro Borges Lemos, o desenvolvimento dos projetos também estarão ancorados no Programa de Gestão de Conteúdo Local, recentemente anunciado como um dos pilares do novo plano de negócios da Petrobras.
“A assinatura deste acordo de cooperação e a iniciativa da Petrobras para suportar a ampliação do conteúdo local sinalizam que existe uma sintonia fina entre os setores público e privado para o fortalecimento da cadeia nacional de fornecedores. Entendemos que a elevada demanda de investimentos no setor requer ações coordenadas para ampliar a capacidade de gestão das empresas brasileiras, em termos de estrutura corporativa, escala produtiva, tecnologia, inovação e inserção internacional”, afirma. 
Projeto piloto 
Um projeto piloto está sendo implementado para o desenvolvimento de empresas âncoras da cadeia nos estados de Minas Gerais, Bahia e Pernambuco. Empresas identificadas como potenciais fornecedores serão mobilizadas a partir de diagnósticos in loco e ações estratégicas com a alta administração para elaboração de Planos de Negócios. 
O projeto prevê a busca de alternativas de financiamento para a ampliação e modernização da capacidade produtiva, gestão, qualificação de recursos humanos, inovação e tecnologia.. A iniciativa poderá ser ampliada para atender empresas âncoras de outros estados potenciais a partir da avaliação das instituições signatárias do acordo.

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Exportações cearenses fecham primeiro semestre em alta

Crescimento nas exportações cearenses alcançaram 0,94%
As Exportações cearenses de Produtos Industrializados alcançaram US$ 441.38 milhões no primeiro semestre deste ano, acréscimo de 0,94% em relação a 2011. As Vendas Totais também  apresentaram expansão real de 6,29% nos seis primeiros meses de 2012, em relação ao ano passado, resultado que se deve ao crescimento de quatro dos sete setores pesquisados. Além destes, também tiveram alta no período as variáveis Massa Salarial Real e Utilização da Capacidade Instalada. As baixas ficaram com Pessoal Empregado Total e Horas Trabalhadas.
Os números são da pesquisa Indicadores Industriais, realizada em junho, pelo Instituto de Desenvolvimento Industrial do Ceará (INDI), da Federação das Indústrias do Estado do Ceará ( FIEC), em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI). O levantamento mostra, ainda, que  o faturamento da indústria, na comparação entre junho e maio de 2012, sofreu redução de 8,29%. “Essa redução é explicada tanto por fatores sazonais como pela alta base de comparação, uma vez que o crescimento apresentado pela indústria em maio foi incomum para o mês analisado”, explica Pedro Jorge Viana, coordenador da área de Economia e Estatística do INDI.
Com os resultados, a participação da indústria no total exportado elevou-se de 71,6% nos seis primeiros meses de 2011, para 71,8% em 2012. Setorialmente, destacam-se as expansões apresentadas na exportação de óleos lubrificantes (+ 57,7%), ceras vegetais (+ 44,3%) e bebidas (+ 23,5%).
No primeiro semestre de 2012, a indústria cearense apresentou decréscimo de 4,36% na variável Pessoal Total Empregado, em comparação a igual período do ano anterior. “Apesar disto, a queda de 3,05% na comparação entre junho de 2012 e 2011 leva a crer em uma melhoria deste indicador no segundo semestre”, pondera Viana.  Setorialmente, as principais quedas do primeiro semestre ocorreram nos setores de Minerais não Metálicos (- 12,86%), Calçados (- 11,41%) e Têxtil (- 10,20%).
Quanto às Horas Trabalhadas, houve variação de -0,39% em relação aos seis primeiros meses de 2011, apesar da expansão em cinco setores. A Massa Salarial Real, por sua vez, apresentou acréscimo real de 1,04% frente aos números de 2011, destacando-se as variações positivas nos setores de Vestuário, Químico, e Metalúrgico.
Por último, a Utilização da Capacidade Instalada registrou, no primeiro semestre, média de 82,96%, sendo superior aos índices obtidos em 2011 (82,91%) e a média dos cinco anos anteriores (80,76%). Em junho, os maiores índices de uso do maquinário foram nos setores de Vestuário (98,19%), Têxtil (93,45%) e Minerais Não Metálicos (90,04%).

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Programa de qualificação de fornecedores premia destaques empresariais

O Instituto Euvaldo Lodi (IEL/CE), entidade componente do Sistema Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Sistema FIEC), e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) realizam amanhã, 7/8, às 19h, na Central do Trigo Distribuidora, a solenidade de encerramento e premiação Destaque Empresarial do Programa de Desenvolvimento de Fornecedores (PDF) do Encadeamento Produtivo do Setor Trigo e Panificação.
No evento, serão apresentados os resultados obtidos pelo PDF do setor no período de 2010 a 2012, certificação das empresas participantes do programa, bem como a premiação daquelas que apresentaram melhor evolução, constituindo destaque empresarial.
O PDF do Setor Trigo e Panificação tem como empresa-âncora o Moinho Dias Branco e 12 empresas como distribuidoras e varejistas: Panificadora Betel, Distribuidora Central do Trigo, Panificadora Com Feitos Vitória, Panificadora Cleopan, Panificadora Delícia do Pão, Panificadora Geísa, Panificadora Jariel Pan, Panificadora Nobre Pan, Panificadora Nosso Pão, Panificadora Pery, Sequilhos Paulista, Sup. Irmãos Gêmeos, Panificadora Thainara e Panificadora Rayssa.
O programa visa desenvolver e qualificar distribuidores e varejistas para fortalecer a cadeia produtiva e gerar ganhos no fortalecimento e no aumento do volume de negócios entre as empresas-âncora e as distribuidoras e varejistas.
Com base nos requisitos estabelecidos pelas empresas-âncora, as distribuidoras e varejistas são sensibilizadas, diagnosticadas e qualificadas, modernizando suas técnicas de gestão, possibilitando uma participação crescente no mercado com maior competitividade.
As empresas distribuidoras e varejistas são qualificadas em áreas de gestão, como saúde e segurança do trabalho, marketing e vendas, administrativo- financeiro, boas práticas de fabricação e processo produtivo. Dentre os benefícios para as empresas-âncora estão relações confiáveis de longo prazo, novos negócios e aumento das vendas. Para as empresas varejistas e distribuidoras, os benefícios são redução dos custos na qualificação, melhoria da qualidade, modernização da gestão, incremento da competitividade, novos mercados, transparência dos critérios técnicos exigidos, qualificação subsidiada, foco na eficiência, produtividade e negócios e monitoramento quanto aos requisitos legais.

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Petrobrás anuncia nova descoberta de petróleo no Ceará

Litoral Cearense de Paracurú
A Petrobras anunciou na noite de ontem que comprovou a ocorrência de petróleo em águas profundas na Bacia do Ceará. A descoberta aconteceu durante a perfuração do poço 1-BRSA-1080-CES (1-CES-158), conhecido como Pecém.
O poço está localizado a cerca de 76 quilômetros do município de Paracuru, em lâmina d’água de 2.129 metros. A profundidade atual do poço, segundo a Petrobras, é de 4.410 metros e a perfuração prosseguirá até 5.500 metros.
De acordo a estatal, a descoberta ocorreu em reservatórios siliciclásticos (sedimentos de rochas formados predominantemente por silicatos - que, por sua vez, são compostos de silício e oxigênio) da formação Paracuru, “constatada por indícios de hidrocarbonetos na perfuração, análise dos perfis e resultados de testes a cabo”, diz a Petrobras, em nota.
“As amostras de fluido obtidas no poço indicaram a presença de hidrocarbonetos líquidos, que serão caracterizados via análise de laboratório. A coluna estimada de hidrocarbonetos é da ordem de 290 metros, sendo 140 metros de reservatório”, conclui.
A Petrobras é a operadora da concessão BM-CE-2, com 60% de participação, em consórcio com a BP Energy do Brasil, que detém os outros 40%. Segundo a petroleira, o grupo dará continuidade às operações para concluir o projeto de perfuração do poço até a profundidade prevista, verificar a extensão da nova descoberta e caracterizar as condições dos reservatórios encontrados.
A estatal não detalhou o volume de petróleo que espera extrair do poço nem a qualidade do óleo encontrado.

Investimentos
O anúncio da perfuração de poços em águas profundas no litoral cearense foi feito em 2010, na ocasião, a estatal previu investir R$ 350 milhões com a exploração no litoral cearense, prevendo perfurar cinco poços até 2013.
Desde 2008, contudo, já se questionava a possível existência de petróleo na camada pré-sal do litoral cearense - área de águas ultraprofundas, abaixo da camada de sal, que se localiza a mais de 6 mil metros de profundidade. Não é o caso da descoberta anunciada ontem pela estatal, apesar da grande profundidade da perfuração.
Com as novas descobertas de petróleo pelo país, a Petrobras espera dobrar sua produção até 2020. A produção nacional de petróleo deverá passar de aproximadamente 2 milhões de barris por dia em 2010, para aproximadamente 3,950 milhões de barris.


Aprovada licença previa para ampliação da Usina solar de Tauá

Central Geradora Solar da MPX em Tauá/Ce
Durante reunião ordinária realizada ontem, na sede da Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace), o Conselho Estadual do Meio Ambiente (Coema) aprovou, com 21 votos a favor e duas abstenções, a licença prévia para o projeto de ampliação da Central Geradora Solar da MPX, empresa de Eike Batista. Localizada na cidade de Tauá e atualmente operando com um volume de energia de "apenas" 1 MegaWatt (MW), a usina pretende aumentar sua geração para 50 MW na segunda etapa de instalação.
"O projeto está na fase inicial do licenciamento ambiental da expansão, momento no qual são elaborados os estudos ambientais necessários. Com a concessão da licença prévia, há o processo para requerimento da licença de instalação, a qual autoriza o início das obras. Além do aspecto ambiental, é necessária a obtenção de autorizações da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Do ponto de vista comercial, também é muito importante o estabelecimento de incentivos e políticas que favoreçam a competitividade da fonte solar, ainda mais cara que as demais", informa a assessoria de imprensa da MPX.
Para conseguir a licença prévia ontem, a empresa teve que encomendar estudo que além de avaliar todos os riscos da obra ao meio ambiente da região, precisava conter soluções e alternativa para reduzir ao máximo o impacto ambiental da expansão. Para o Coema, as propostas foram válidas e precisarão ser seguidas à risca. "Se cumprir tudo que prometeu, o empreendimento é completamente viável", afirma o gestor ambiental da Semace, Wilker Sales.
O terreno destinado ao empreendimento tem 203 hectares, e os painéis serão instalados numa área de cerca de 100 hectares, ficando assim todas as áreas de proteção ambiental e reserva legal resguardadas.

Outros modelos
Durante seu processo de expansão, que está avaliado em pelo menos R$ 170 milhões, a Central Geradora Solar cogita até utilizar modelos diferentes das placas japonesas utilizadas atualmente. "A tecnologia utilizada em Tauá é a de energia solar fotovoltaica. Os painéis solares possuem revestimentos químicos que fazem com que a radiação do sol seja transformada em energia elétrica. Ainda estão em avaliação os modelos específicos de painéis fotovoltaicos que serão utilizados no projeto de expansão, por isso, não é possível antecipar onde eles serão fabricados" revela a MPX.

Cinturão das Águas
Ainda na reunião ordinária de ontem, o Coema aprovou também a licença prévia do Trecho 1 do projeto Cinturão das Águas do Ceará (CAC), que nesta etapa terá uma extensão de 150 km, cruzando o território dos municípios de Jati, Porteiras, Brejo Santo, Abaiara, Missão Velha, Barbalha, Crato e Nova Olinda. De acordo com o Relatório de Impacto Ambiental do CAC, este se constituirá em um sistema adutor com extensão total de aproximadamente 1.300 km, formado por um eixo principal e três ramais secundários, cuja finalidade é captar águas do São Francisco para todas as onze macro-bacias hidrográficas do Ceará.
Previsto para começar pelo Cariri no início do ano passado, o CAC continua com obras indefinidas, mas estima-se que o primeiro trecho seja concluído até o fim de 2014.
O empreendimento, quando concluído, em 2040, vai assegurar o abastecimento de água para a totalidade da população cearense, levando água para a região dos Inhamuns, uma das mais secas e isoladas do Ceará. Com o CAC, há também a previsão de que 80% do território do Estado seja beneficiado pelo Projeto de Integração do Rio São Francisco com o Nordeste Setentrional, e não somente as bacias do Jaguaribe e Metropolitanas, como estava previsto inicialmente no projeto. 

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Grupo EBX e Oi puxaram crescimento da Bovespa em julho


Ações da Oi cresceram 23,3%
Grupo EBX alcançou os 34% em crescimento
No mês em que a Bovespa subiu mais de 3% e interrompeu uma sequência de quatro quedas mensais seguidas, a oscilação das ações que compõem seu principal índice, o Ibovespa, variaram de uma alta de 34,8% dos papéis da LLX a uma perda de 23,7%, das ações da Eletropaulo.
As ações da empresa de logística do grupo EBX, do bilionário Eike Batista, dispararam nos últimos dias após o executivo decidir comprar 100% dos papéis da companhia e fechar seu capital, afirmando estar disposto a pagar 25% acima do valor que a ação vinha sendo negociada.
Além da LLX, um destaque foi a operadora de telefonia Oi, com uma alta de 23,3% nas ações ordinárias, enquanto as preferenciais avançaram 21,7% . Além disso, as ações da MRV subiram 18,8% e o papel preferencial da Usiminas, 16,6%. O Itau Unibanco avançou 14,5%. 
Entre as perdas, destaque para empresas de energia, com Eletropaulo e Transmissão Paulista, e de commodities, com Vale e CSN. Veja na galeria abaixo as 10 maiores perdas e os 10 maiores ganhos do mês. As informações são do portal IG.